TRABALHOS DA ADEPOL DO BRASIL NAS LEIS GERAIS DAS POLÍCIAS CIVIS E MILITARES

0
417

A Adepol do Brasil, entidade de classe de âmbito nacional representativa da categoria de Delegados de Polícia desde 1970, integradora de 29 Entidades de Classe de Delegados de Polícia de todo o Brasil, bem declarar a todos Delegados de Polícia que continuará na luta pela votação do requerimento de urgência para votação em plenário do projeto da Lei Geral das Polícias Civis, tendo como texto base aquele definido originalmente em reunião de acordo no Ministério da Justiça em junho.

Quaisquer negociações para modificações pelo relator, Deputado João Campos, serão apreciadas cuidadosamente pela ADEPOL DO BRASIL, que há mais de dois anos atua com protagonismo na defesa de um texto constitucional e de máximo consenso.

Ressaltamos que, tal como expressamente manifestado pela briosa FENEME e pelo aguerrido relator da Lei Geral das Polícias Militares, Deputado Capitão Augusto, as modificações inseridas no texto deste projeto de lei que trouxeram equilíbrio e respeito às atribuições constitucionais de cada instituição foram justamente aquelas oriundas de encaminhamento da ADEPOL DO BRASIL e Chefes de Polícia (nota pública da FENEME em anexo com tal reconhecimento expresso).

 Pedimos a todos Delegados de Polícia que pautem suas informações sobre andamentos de trabalhos legislativos e institucionais em nível nacional a partir de comunicados da ADEPOL DO BRASIL, a legítima entidade de classe de âmbito nacional representativa de nossa carreira juntamente com as 29 entidades de classe que a integram.

Continuamos nosso trabalho incansável de articulação suprapartidária para se tentar pautar o requerimento de urgência e o projeto da Lei Geral das Polícias Civis.

Lamentamos que outras entidades se recusem a buscar consenso com base no que fora acordado em junho e pedimos que enxerguem a importância de se avançar com consenso, respeito mútuo e racionalidade em um texto necessário para as Polícias Civis de todo o Brasil, sem predomínio de visão corporativista ou choques institucionais internos que só enfraquecem a instituição.

A Diretoria..