NOTA DE REPÚDIO

0
1141

  

NOTA DE REPÚDIO

A Associação de Delegados de Polícia de Pernambuco/ADEPPE e a Associação de Delegados de Polícia do Brasil/ ADEPOL-BR, através da vice-presidência nordeste, vem a público repudiar afirmações do Ministério Publico de Pernambuco divulgadas na mídia sobre prisões supostamente decorrentes  de investigação realizadas pelo Ministério Publico/PE.

Informar que a elucidação de crimes no Hospital Dom Moura, em Garanhuns, é resultado de investigações realizadas em Inquérito Policial, presidido pelo delegado de polícia civil, Altemar Mamede, que está a frente do caso desde o início da apuração, em Julho de 2012.

     Segundo informações da Polícia Civil o delegado Altemar Mamede foi designado para apurar os fatos criminosos, através da Portaria n°447, em 24 de julho de 2012. Durantes as investigações, a autoridade policial solicitou à justiça a quebra dos sigilos telefônicos dos envolvidos, que identificou a prática dos crimes de falsidade ideológica, peculato, inserção de dados falsos em sistema de informação da Administração Pública, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e ameaça. Ao final do inquérito policial, o delegado solicitou as prisões preventivas dos quatro indiciados, com indicação de materialidade e autoria do fato.

As informações divulgadas pelo Ministério Publico de Pernambuco, numa postura de apropriação das investigações realizadas através de inquérito policial, por delegado da policia civil vai de encontro aos interesses do povo pernambucano.

 

 

 

Flaubert Queiroz                    Silvia Renata Araujo

Presidente da ADEPPE             Vice-presidente ADEPOL/BR