Nota de apoio à ADEPPE no repúdio à manifestação do secretário da Casa Civil de Pernambuco

0
41

A ADEPOL DO BRASIL manifesta apoio à Associação dos Delegados de Polícia Civil de Pernambuco – ADEPPE à nota de repúdio sobre a fala do secretário da Casa Civil do estado, Túlio Vilaça. Segue a íntegra do documento:

NOTA DE REPÚDIO SOBRE FALA DO SECRETÁRIO DA CASA CIVIL TÚLIO VILAÇA

A Associação dos Delegados e Delegadas de Polícia Civil de Pernambuco REPUDIA a fala do Secretário da Casa Civil, Túlio Vilaça, ao afirmar “quem de fato cuida da segurança pública do Estado é a Polícia Militar e não a Polícia Civil”, em entrevista ao blog Portal da Prefeitura.

O secretário, apesar de advogado, mostra profundo desconhecimento acerca da segurança pública, Constituição Federal e dos direitos humanos, principalmente sobre o papel da Polícia Judiciária na Repressão e Prevenção dos Crimes no Sistema de Justiça Criminal.

Só para relembrar ao assessor da governadora, todas as ocorrências da Polícia Militar desaguam na Polícia Civil que é quem decide pela liberdade ou não do indivíduo, portanto é na delegacia que começa a justiça. É o Delegado de Polícia, o primeiro garantidor da legalidade e da justiça, conforme palavras do ex-ministro do STF, Celso de Mello. É a Polícia Civil que desmantela e descapitaliza as grandes organizações criminosas.

Outra situação contraditória é que se é a polícia militar que faz a segurança pública, qual o motivo para entrar com ação na justiça para declarar ilegal a greve anunciada pelo SINPOL. Por que então não libera os policiais civis das escalas extraordinárias?

Insinuar que a Polícia Civil não é importante, que somente o policiamento ostensivo vai resolver, é mais uma vez desprestigiar e desrespeitar nosso papel

Portanto, Sr. Secretário, pedimos reflexão e responsabilidade nas próximas declarações para não acirrar ainda mais os ânimos que estão exaltados na base.

Desde já, colocamo-nos à disposição do Secretário da Casa Civil para fazer uma explanação sobre os trabalhos de polícia judiciária, sobre os feitos da Polícia Civil de Pernambuco nos últimos anos, mostrando como somos atores fundamentais para a diminuição da violência.

Sem dúvida, a posição mais difícil e delicada nesse momento é o do delegado geral Renato Márcio. Acabou de assumir no meio de uma crise de segurança pública, com a missão de motivar a tropa diante da falta de valorização, e ainda ter que lidar infelizes falas do secretário da casa civil.

O que se verifica é que Governo, em termos de Segurança Pública, está muito mal assessorado e completamente perdido, motivo pelo qual a violência só faz crescer no Estado de Pernambuco. Logo após anunciar o Plano de Segurança, dezembro de 2023 foi o mês mais violento do ano, e janeiro de 2024 apresentou a aumento de mais de 25% na violência. Só nos resta pedir clamor divino e proteção aos Pernambucanos neste carnaval, pela ausência de um plano de Governo efetivo de combate à violência.

Por fim, pedimos ao associado que atue na forma da lei. Essa é quem irá nos respaldar no momento de dificuldade.