Artigo da ADEPOL DO BRASIL sobre violência urbana no País continua repercutindo na grande imprensa

0
53

A ADEPOL DO BRASIL, em artigo assinado pela diretora Raquel Gallinati, ganhou amplo destaque nos veículos de comunicação, trazendo a escalada da violência urbana como tema de análise e reflexões.

“A violência urbana no Brasil persiste como um problema de grande complexidade, muitas vezes obscurecido pela cegueira ideológica que impede uma análise crítica e a identificação da verdadeira origem desse grave dilema que aflige a população.

A expressão ‘monopólio da violência’ ganha destaque nesse contexto, conforme estabelecido pelo sociólogo Max Weber em sua conferência ‘A Política como Vocação’ em 1918.

Weber, nesse ensaio, estabelece uma concepção clássica para o pensamento político ocidental, atribuindo ao Estado o monopólio do uso legítimo da violência, quando necessário, no combate ao crime dentro de um território delimitado. Tal territorialidade é uma característica intrínseca ao Estado.

Esse monopólio, segundo Weber, pressupõe um processo de legitimação, sendo um princípio fundamental para todos os Estados democráticos modernos. Dessa forma, a definição do Estado soberano moderno está intrinsecamente vinculada ao monopólio do uso legítimo da violência.

Atualmente, observa-se uma tendência de minimizar a autoridade do Estado e as dores das vítimas, colocando-as como coadjuvantes do sistema de justiça. Há uma percepção de que todas as garantias são estendidas aos indivíduos que cometem crimes graves, como homicídios, estupros, tráfico de drogas e envolvimento com organizações criminosas. Isso se estende ao argumento de que esses criminosos são, de alguma forma, vítimas da sociedade”, destaca Raquel Gallinati em parte do artigo.