AM – Delegado lidera ação de Responsabilidade Social em Novo Airão

0
1830

Atento à difícil realidade que envolve a condição social do preso e das vítimas de crimes praticados em Novo Airão, o titular em exercício da Delegacia de Polícia do município, Dr. Guilherme Torres Ferreira, membro filiado à Associação de Delegados de Polícia do Estado do Amazonas, Adepol-AM, com apoio de lideranças municipais da prefeitura e Câmara dos Vereadores, Igrejas e membros voluntários, criou um programa de responsabilidade social que será implementado no dia 30 deste mês.

 

A ação conhecida como Programa de Ressocialização do Preso e Assistência Social às Vítimas – PREPASOV, nasceu com o intuito de fazer cumprir de forma eficiente importantes pontos tratados na Lei de Execução Penal, entre eles o disposto no Art 1º: “A execução penal tem por objetivo efetivar as disposições de sentença ou decisão criminal e proporcionar condições para a harmônica integração social do condenado e do internado”, destacou Torres.

 

Em virtude disso, a ação busca integrar a participação da comunidade e órgãos públicos em ações de recuperação e assistência material dos presos, otimizando dessa forma, o trabalho da polícia em benefício do bem comum.

 

“Entendemos que as demandas relacionadas à segurança pública é dever do Estado, mas é também responsabilidade de todos e, por isso, queremos propor aqui em nosso município, uma ação integrada onde juntos possamos assumir um papel importante para a solução dos problemas dessa natureza”, esclareceu o idealizador do PREPASOV.

 

Segundo o delegado a iniciativa não quer anular as devidas punições impetradas sob o rigor da Lei, mas sim oferecer suporte a todos os envolvidos direta e indiretamente na contravenção praticada, a fim de minimizar as consequências do crime, perante a sociedade.

 

De acordo com o titular em exercício do distrito policial, atualmente são 28 presos sob a tutela da delegacia, cumprindo pena em uma única cela, de limite máximo para oito pessoas, vivendo em condições de intensa precariedade. “A realidade instalada nas delegacias é o principal fator que tem oportunizado frequentes manifestações de fugas e rebeliões, que já somam cinco em apenas um ano”, lembrou o associado da Adepol-AM.

 

Entre as ações sociais disponibilizadas pelo Programa, estão: atendimento médico, odontológico, psicológico, social, religioso, educacional e jurídico, além de treinamentos funcionais, que visam diminuir problemas de saúde, recorrentes entre os presos. Todas as atividades deverão ser executadas aos fins de semana na delegacia e também no ginásio da Prefeitura.

 

Em especial atenção, a equipe de assistência social do Programa desenvolverá a tarefa de cadastro e acompanhamento das famílias, assim, estendendo o trabalho de ressocialização antes, durante e após o término de reintrodução ao convívio social. Nesse período, será feito um relatório circunstanciado sobre o alcance dos objetivos do Programa, a fim de mensurar o êxito das ações tomadas.

 

Com atuação de profissionais especializados nas áreas assistenciais, de saúde, psicologia, entre outras, as medidas pensadas em atenção as vítimas dos delitos praticados pelos detentos, visam estender de modo efetivo benefícios a todos os envolvidos, garantindo até mesmo êxito nas tarefas de investigação.

 

“Exemplos prático são de crianças e mulheres, vítimas de crimes de abuso sexual que chegam na delegacia em estado de extremo abalo psicológico, sem condição alguma de relatar o ocorrido para colaborar com os trabalhos de investigação. Nesses casos, a implementação do programa que garante a participação de profissionais aptos a desempenharem técnicas de assistência social, médica e psicológica, podem promover benfeitorias de maneira ampla e concreta”, disse o Delegado de Novo Airão.

 

Guilherme Torres reforça que o projeto de responsabilidade social não anula as importantes e urgentes medidas que devem ser tomadas para que presos sejam retirados das delegacias do interior, que muitas vezes funcionam como presídios, sem a estrutura e equipe necessária.

 

Fonte: Adepol/AM