O FIM DA MINHA MISSÃO NOS EUA: UM CICLO SE FECHA E OUTRO SE INICIA NO ES

0
107

Nesta semana fechei mais um ciclo em minha vida pessoal e profissional. Depois de quase três anos representando a Polícia Federal nos Estados Unidos, encerro a honrosa missão de ser o elo entre a PF brasileira e as agências de segurança americanas.

Foi uma experiência absolutamente incrível, sob todos os aspectos. Neste período, tive oportunidade de trabalhar em parceria com as mais qualificadas instituições policiais do mundo. Apenas a título de exemplo, atuando lado a lado com o FBI (Federal Bureau of Investigation), auxiliamos uma equipe da PF em Brasília na investigação e prisão de um israelense acusado de viabilizar o comércio de armas, drogas, pornografia infantil e outros tantos tipos de delitos praticados na chamada deep web.

Com a ICE (Imigration and Customs Enforcement), realizamos inúmeras investigações que culminaram com a prisão de acusados de traficar armas, enviando fuzis e outros armamentos para o Brasil. Também atuamos de forma incisiva no combate a quadrilhas que traficavam seres humanos do Brasil para os Estados Unidos.

Em parceria com a CBP (Customs and Boarder Protection), desenvolvemos um modelo de atuação que tem contribuído para alcançar coiotes e membros de organizações criminosas especializadas em facilitar a entrada ilegal de brasileiros nos Estados Unidos. Vale mencionar que as pessoas que aceitam o serviço disponibilizado pelos coiotes se colocam em situação de intensa vulnerabilidade, e se submetem a uma série de outros crimes, como homicídio, estupro, extorsão, etc.

Com a FWS (Fish and Wildlife Service), atuamos de forma muito ativa na repressão ao tráfico de madeiras brasileiras e também na repressão ao tráfico de animais silvestres.

Com a DEA (Drugs Enforcement Administration) trocamos inúmeras informações de inteligência que contribuíram para a apreensão de grandes quantidades de drogas. Também auxiliamos em ações que miraram o patrimônio das organizações criminosas, descapitalizando e diminuindo o poder dos traficantes.

Com a LAPD (Los Angeles Police Department) auxiliamos o contato com as Polícias Civil e Militar do Espírito Santo, contribuindo para a investigação e localização de dois jovens suspeitos de matar covardemente uma garota na Califórnia. Ainda hoje, inclusive, os assassinos se encontram presos, aguardando julgamento no Espírito Santo.

E isso não é tudo! Auxiliamos na obtenção de treinamentos, na aquisição de equipamentos, na assessoria ao embaixador do Brasil nos EUA, enfim, foi uma experiência incrível e que impactou, de forma efetiva, na segurança pública brasileira.

O tempo vivido nos EUA me mostrou como o sistema público de saúde brasileiro é muito melhor que o americano. Por outro lado, me mostrou também o quanto precisamos e podemos evoluir nas áreas de segurança, educação, planejamento das nossas cidades, acessibilidade, saneamento básico e em tantas outras.

No campo pessoal a experiência também foi sensacional. Vi meu filho mais velho se tornar totalmente fluente em inglês e integrado com os amigos americanos. Aqui nasceu minha filha caçula, uma das maiores alegrias que tivemos nesses três anos. Foram, realmente, incontáveis alegrias e realizações para mim e minha família.

Agora, passados três anos, retorno ao Brasil e ao Espírito Santo para mais uma missão. Fecho um ciclo com a sensação de dever cumprido e com o coração cheio de gratidão por ter a convicção de ter sido grandemente abençoado durante esse período em outro país. Retorno com a gigantesca responsabilidade de, como Superintendente Regional da Polícia Federal, liderar a qualificadíssima equipe da PF no Estado.

Volto muito animado ao Espírito Santo, onde praticamente iniciei minha carreira na PF, há 18 anos, e que me acolheu tão bem, fazendo-me sentir em casa. Estado onde tive a oportunidade de servir como secretário da Justiça e secretário de Controle e Transparência, e onde, agora, estarei ombreado com todos os policiais federais do Espírito Santo para ajudar a construir um Estado mais pacífico e seguro e, obviamente, com menos corrupção!