Mais abusos e trapalhadas na “investigação” do Ministério Público no Cajú.

0
988
Delegados impetram Habeas Corpus em favor de inocente preso em investigação da dupla Ministério Público e PM
 
Cinco Delegados de Polícia assinaram a petição que foi protocolada no plantão judiciário noturno. O alvará de soltura chegou na madrugada do mesmo dia.
 
06 de Mar de 2013
SINDELPOL-RJ
 
O Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado do RJ vem informar, pela presente nota, que ontem Delegados de Policia do Estado do Rio de Janeiro impetraram habeas corpus em favor de um cidadão que fora preso ilegalmente por promotores e policiais militares munidos de mandado de prisão absurdamente concedido em plantão judiciário, sendo posteriormente por eles conduzido para a 17ª D.P., onde apurou a autoridade policial de plantão o equívoco realizado.

A “investigação”, ilegalmente iniciada por policiais militares, não cuidava de crimes militares.

O açodamento em dispor de algo para “apresentar à mídia”, somado à sede ilimitada pela ampliação de seus poderes e à absoluta debilidade de conhecimentos técnicos do Ministerio Publico para a promoção de investigações, provocou gravíssimas violações aos direitos constitucionais de um cidadão, que além de ver seu nome divulgado na mídia televisiva equivocadamente associado à prática de crimes graves, ainda teve sua liberdade ilicitamente cerceada.

O Sindicato dos Delegados de Polícia alerta para a ilegalidade e a inconstitucionalidade de tais “investigações” realizadas conjuntamente pela PM e MP, as quais constituem-se não apenas em usurpação de função pública, conforme se verifica em diversas decisões judiciais, mas sobretudo em GRAVÍSSIMA LESÃO aos direitos e garantias fundamentais do cidadão, que detém o direito de apenas se ver investigado por aqueles a quem a CRFB outorgou expressamente tal mister, devendo os cidadãos que tenham tal direito violado por comportamentos arbitrários de integrantes de entes que não detenham tal mister recorrerem ao Poder Judiciário para coibir tais práticas.

José Paulo Pires – Presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Rio de Janeiro

 

Mais abusos e trapalhadas na “investigação” do Ministério Público no Cajú.
 
Justiça confirma inocência de terceiro jovem incluído em lista como traficante
 
09 de Mar de 2013
O Dia online
 
POR Felipe Freire

Rio – Os equívocos cometidos pelo Ministério Público estadual e a PM sobre o tráfico no Complexo do Caju, que culminaram com o decreto de 10 mandados de prisão, foram sucessivos.

Além da associação da imagem de adolescente a um traficante e a divulgação do nome de um motoboy na foto de um bandido, outro erro foi reconhecido nesta sexta-feira.

A Justiça revogou o pedido de prisão temporária de Fábio Araújo Dutra, confirmando indícios de irregularidades no processo de denúncia.

Além disso, segundo moradores do Caju, um coveiro, de nome Alexandre, também estaria na lista sem qualquer tipo de envolvimento com o crime. O MP não confirma. “Ele trabalha todos os dias e sabemos que é inocente. Ele nem está vindo estes dias”, contou um amigo.

Diante das falhas na investigação, as vítimas já começam a se mobilizar para processar o Estado. “Meu filho tem diabetes e ficou mal estes dias. A qualquer barulho pensávamos que poderiam invadir nossa casa para prendê-lo. Agora vamos processar a todos de direito, incluindo o Estado”, disse o pai de W., 17, Paulo Henrique Motta.

W. teve a imagem associada a do traficante Odilon Fernandes Ripardo, o Neném. Já o motoboy Rodrigo Marcelino da Silva, 25, teve o nome divulgado junto à imagem de traficante. Ele chegou a ficar detido 10 horas na 17ª DP (São Cristóvão).

Moradores pedem respeito

Durante reuniões no Caju e Barreira do Vasco, ontem pela manhã, moradores cobraram “respeito” da polícia. No encontro com policiais do Bope, também ouviram “regras” para convívio pacífico nas comunidades recém-ocupadas pela polícia.

“Que possam pedir licença para entrar nas nossas casas e que não pensem que aqui só tem bandidos e as crianças estão perdidas”, disse Vania Rodrigues, presidente da associação de moradores da Barreira.

 

http://sindelpolrj.com.br/noticia/policia-civil-vai-assumir-inquerito-apos-novo-erro

http://sindelpolrj.com.br/noticia/delegado-impetram-habeas-corpus-em-favor-de-inocente-preso-em-investigacao-do-ministerio-publico-com-a-pm

 

http://sindelpolrj.com.br/noticia/investigacao-do-ministerio-publico-leva-morador-inocente-do-caju-a-ficar-preso-por-nove-horas

 

http://sindelpolrj.com.br/noticia/m-dia-depois-de-mp-reconhecer-erro-nome-de-morador-do-caju-ainda-esta-no-banco-de-mandados-de-prisao-do-cnj

 

http://sindelpolrj.com.br/noticia/mais-abusos-e-trapalhadas-na-investigacao-do-ministerio-publico-no-caju

 

http://sindelpolrj.com.br/noticia/sera-que-a-culpa-foi-mesmo-da-policia-militar

 

http://sindelpolrj.com.br/noticia/policia-civil-vai-assumir-inquerito-apos-novo-erro